Mari  Silva Alexandre

Sou flor, Sou amor. Sou Dor, Sou amor. É nisto que me resumo.

Textos


Menção Honrosa
 
Eu gostaria de fazer aqui uma menção honrosa em agradecimento aqueles que, por razões especiais, não estão aqui presentes. São pessoas que o destino nos colocou juntos e que, como tudo parece seguir um roteiro escrito por mãos divinas, nos separou por algum tempo, mas não conseguiu desatar os laços do amor que sempre nos uniu. Falo dos meus país  Margarida e Osvaldo da Silva.                  
Aqueles que sonharam para mim este sonho que realizo agora. Aqueles seres amorosos que sempre me embalaram com o carinho e com o desvelo de pessoas que fazem de suas vidas um instrumento para a consecução de um projeto de vida, de um ideal desenhado a dedo, nas noites longas dos invernos, no vapor da vidraça da janela. Hoje, aqui neste ambiente repleto de sorrisos e de felicidades, que se parece com um jardim de belas realizações, eu posso enxergar com clareza o brilho de lágrimas a feição de gotas de felicidades, descendo pelos rostos do meu pai e da minha mãe, indo se encontrar com os sorrisos de satisfação que adornam os seus semblantes. Sinto palpitar em meu próprio peito o orgulho que os teria preenchido a existência quando me viram cruzando os umbrais desta Instituição, para aqui me inscrever e matricular em busca deste diploma que ostento com grande alegria. Sinto também este orgulho, banhado nas límpidas águas da felicidade, que os irradiaria ao me virem cruzando aqueles mesmos umbrais, para me receberem num abraço apertado e cheio de bênçãos, segurando nas mãos o resultado de tantos dias de lutas, de sacrifícios e de esperanças sempre renovadas.              
Eu posso ouvir, de suas bocas trêmulas de emoção, as palavras que repetidas vezes eu as ouvi ainda quando eu era uma menina sonhadora. Palavras de admiração, de incentivo aos estudos e de desejos ardentes para que eu jamais me detivesse ante os obstáculos impostos pela vida, ao longo dos caminhos. Ouço suas lindas vozes, como canções de amor e de encorajamento, a me guiarem como faróis em meio a nebulosa jornada da vida, procurando sempre retirar do meu caminho os espinhos e as pedras que muitas vezes, por teimosia e inexperiência com eles topei e algumas vezes me feri. Eu posso ouvir suas vozes, entrecortadas por soluços de felicidades, me parabenizando por uma realização, por uma conquista que, tenho certeza, não é tão somente minha, mas também é deles. Posso ouvir suas vozes, em meio a sorrisos de alegrias, de contentamento, dizendo: Eu me orgulho tanto de você, minha filha, mas não pelo que você tem, mas sim, pelo que você é e pelo que você representa em nossas vidas.
Eu quero pedir a permissão para dividir este prêmio com aqueles a quem amei, amo e sempre amarei, e sei que estão, de algum ponto deste universo infinito,
partilhando comigo este momento de felicidade.

 
Mari S Alexandre
Enviado por Mari S Alexandre em 18/05/2015
Alterado em 26/07/2015
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras