Mari  Silva Alexandre

Sou flor, Sou amor. Sou Dor, Sou amor. É nisto que me resumo.

Meu Diário
09/08/2014 00h51
PENSAMENTOS

Os pensamentos são livres,
enquanto vivem nas mentes.
Quando palavras, às vezes, mentem.

O coração é livre, enquanto sente,
secretamente. 
Nem sempre revela tudo que sente.

O corpo voa.
Os pensamentos caminham
Na imaginação.

O coração sente, com
ou sem razão! Sem invenção!

 

 


Publicado por Mari S Alexandre em 09/08/2014 às 00h51
 
17/07/2014 14h42
Não sei...

Não sei exatamente em que momento comecei a despertar. Só sei que comecei a, desejar menos, entender de onde vim e, a desejar mais, aprender a estar aqui a cada agora. 

 


Publicado por Mari S Alexandre em 17/07/2014 às 14h42
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
13/07/2014 10h12
Em vão

O ser que passa pela vida sem se conhecer, nada pode reconhecer.


Publicado por Mari S Alexandre em 13/07/2014 às 10h12
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
12/07/2014 12h11
Entre o impossível e o possível..., existe o ser.

 
Há quem capture um pássaro em pleno 
voo…

Há quem viva feliz em manter um pássaro no cativeiro.
Há os pássaros q
ue vivem uma vida na tentativa de se libertarem

de seus opressores,

na esperança de que um dia tudo possa mudar.

Pois, sempre há uma possibilidade, por mais remota que seja.
É possí
vel enxergar o ar.

É possível parar o tempo.
É possível segurar o vento.
É possível invadir pensamentos.
É possível criar possibilidades.
Somente com o bem querer se pode conquistar
as coisas que a alma exige.
Ser é somente com o que se tem no coração, no espírito e na alma.
Ser é existir.
Ter é permanecer na existência.
Para ser não basta apenas viver, é preciso
existir.
Para ter não basta querer, é preciso
lutar.
E isto, ainda, não é tudo...

 

 


Publicado por Mari S Alexandre em 12/07/2014 às 12h11
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
06/07/2014 19h08
Surpresas da vida...

Depois de trinta e um anos de relacionamento, chegou o momento de dizer adeus um ao outro.
Há coisas que sabemos serão melhores para nós. Há coisas que sabemos perderam completamente o sentido verdadeiro de continuar existindo, mas que vamos insistindo de todas as maneiras, simplesmente, por não se conseguir cortar o elo. Mas, chega o momento em que o elo se rompe por excessivo desgaste.
Mesmo quando sabemos que não há o que recuperar, que não há o que manter, que não há mais nada que possa nos dizer: "ainda há este pequeno grão que poderá, com os devidos cuidados, germinar."
Pois, há desgastes que são irreversiveis. Há desgastes que mexem tão profundamente com os nossos sentimentos e com as nossas emoções que não deixam restar um pequeno fio para que se possa reiniciar aquilo que foi desfeito.
Há relações onde nelas permanece a amizade entre o casal, em nome de tudo o que viveram. Eu pensei que se um dia a minha relação terminasse, seria assim: com a grandiosidade das almas, dos espíritos e dos corações que preservaria a amizade.
Mas, quando há traição, quando há deslealdade, quando há abuso dos melhores sentimentos do outro, não dá para ser assim, não dá para seguir em frente, com um bom reconhecimento no outro.
O que dá, ao menos para mim, é sair da relação desejando ao outro toda a felicidade do mundo. Mesmo porque eu acredito que as pessoas que são felizes não sentem vontade e nem tem razão para fazer mal ao outro e não sentem vontade de prejudicar quem quer que seja. Eu julgo por mim, pois nem com toda a dor que eu estou sentindo eu pensei em prejudicar, em me vingar, ou desejar o mal. 
Eu estou sofrendo porque sou feita de sentimentos e emoções. Entretanto, eu sei que isto tudo vai terminar e que com o passar do tempo essa dor profunda, que hoje sinto, vai sendo aos poucos aliviada.
Foi mais uma batalha que enfrentei com dignidade. E assim, sigo a minha vida. Sigo com altivez e orgulho por ser quem eu sou e sempre ter vivido de maneira clara, transparente e honesta.
Uma pessoa com as minhas virtudes não aceita nada menos que reciprocidade de caráter, de valores e ética.
Eu continuarei a falar de amor, mesmo porque sempre acreditei neste sentimento bonito e verdadeiro. Afinal de contas, é o amor que sinto em meu coração que está me apoiando, me abraçando e cuidando de mim com todo o carinho e o respeito que eu mereço. Amor, carinho e respeito que eu dediquei,e dedico aos meus eleitos do coração.


Publicado por Mari S Alexandre em 06/07/2014 às 19h08
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 9 de 29 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras