Mari  Silva Alexandre

Sou flor, Sou amor. Sou Dor, Sou amor. É nisto que me resumo.

Meu Diário
12/08/2014 09h30
VENCIDO
No dia em que os teus olhos
espelharam a imagem dela,
neles eu não me vi.
Deles eu me perdi. 
A dor do meu peito
derruiu todos os anos
do nosso amor.
Ficou somente a companhia
do vazio ensurdecedor.
Eu morri de amor.

 

 


Publicado por Mari S Alexandre em 12/08/2014 às 09h30
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
12/08/2014 09h16
SUCUMBIA

O dia ouvia
Que a noite 
Tinha sua magia
E sonhava 
Um dia, conhecer
Todo esse encantamento
Que todos sentiam
Mas descobriu 
Tristemente
Que para ele viver
A noite sucumbia.

 


Publicado por Mari S Alexandre em 12/08/2014 às 09h16
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
12/08/2014 08h46
SECRETO

A fé e a esperança me dão a sensação de estarem aguardando pela realização de algo, que em silêncio almeja dentro do meu ser, pacientemente, para viver.
Esta sensação de que algo 'mágico' vai acontecer se transformou em uma companhia.
Transformou-se no meu jeito, secreto, de viver.


Publicado por Mari S Alexandre em 12/08/2014 às 08h46
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
12/08/2014 08h25
INVEJOSO

Quanto mais o invejoso tenta denegrir a imagem do luminoso, maIs o invejoso se adentra em sua própria escuridão.
Triste, mas essas pessoas infelizes existem.
E vivem nas sombras dos que brilham, mergulhando neles as suas frustrações.


Publicado por Mari S Alexandre em 12/08/2014 às 08h25
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
12/08/2014 08h20
ELO

ELO

Sinto a leveza do teu olhar
A tua curiosidade peculiar
A tênue da tua vigilância
presente, disfarçada 
de distância.


Esse teu jeito de me amar
Sem querer demonstrar
Diz para o amor, 
que tens um modo 
todo próprio de amar.


E o amor me diz
que, amor assim,
eu aceito amar.


Publicado por Mari S Alexandre em 12/08/2014 às 08h20



Página 6 de 29 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras