Mari  Silva Alexandre

Sou flor, Sou amor. Sou Dor, Sou amor. É nisto que me resumo.

Meu Diário
25/04/2015 11h40
Pensando sobre a vida

     O homem é corpo, mente e espírito, onde eu coloco nele, no espírito, a alma e o coração. O espírito deseja a eternidade. Infelizmente, seu desejo é morto, ao morrer seu corpo.

 

     Todo espírito, quer a vida eterna, e mesmo este, o espírito se esquece de cuidar de seu corpo, que o abrigará enquanto estiver vivo. Foi dado ao espírito um corpo de presente para que ele se fizesse matéria, e assim pudesse viver da melhor maneira que souber e puder.

 

 

 

      Acredito que, quando o homem se der conta da realidade e de suas limitações, este aproveitará melhor a vida.

 

 

 

 

     Alguns homens acreditam na vida eterna de seus espíritos, independentemente de seus corpos não viverem eternamente, e assim, esquecem de cuidar do mesmo, como deveriam cuidar, por não se preocuparem com a matéria e acharem que ao se desprenderem do corpo, quando for chegada a hora de sua morte (a morte do corpo) continuarão vivendo. Parece-me essa forma de pensar, uma maneira anestésica de lidar com a vida e a morte.

 

 

 

   Para mim, são irrealizáveis esses pensamentos, aliás, são mais do que pensamentos, são crenças e modos de vida. O ser humano acredita que existe um lugar para o espírito viver ao lado de Deus por toda a eternidade.

 

 

 

        Eu não creio nisto. Eu acredito que o meu espírito foi presenteado com um corpo, assim ganhando vida, para viver e desfrutar esse paraíso chamado terra, que Deus me dEu para viver, enquanto eu for corpo e espírito. O que me torna eu é o meu corpo e o meu espírito. Quando me olho no espelho é através do meu corpo que posso certificar-me do meu espírito. Quem me olha vê meu corpo e tenta adivinhar o meu espírito, através do julgamento de seu próprio espírito. Por isto, ao ser julgada, eu sou mais o próprio julgamento de quem me julga, do que, o que realmente  eu sou. É o meu corpo em movimento que dá a ideia ao outro, de quem eu possa ser.

 

 

         A pergunta de onde vem o meu espírito ao receber o corpo que vem de um outro ser chamado mãe, responde-me que vem da graça do Criador. É nEsse Deus em que eu acredito; no Deus que me presenteou com um corpo e com o espírito, que me torna eu, para desfrutar, fazendo uso de seus ensinamentos e do livre arbítrio que me ofereceu, a vida linda de viver.

 

 

         Qual é o sentido da vida, então? É tocar outras vidas. E como seria isso? De muitas maneiras, creio eu. É ser para o outro ser que vive ao meu redor uma pessoa de luz. E, principalmente, deixar a contribuição do melhor de mim, em função dos que virão a viver nesse paraíso que Deus criou em sua plena inspiração. Leio isto como um "toque de amor".

 

 

       Sinceramente, se essa vida não for o paraíso, eu não sei o que poderia ser. Os que não acreditam nessa vida, já vivem no inferno. Para se viver no paraíso, é preciso ter olhos de ver, é preciso ter braços que abraçam e pernas que caminhem em direção ao outro.

 

 


Publicado por Mari S Alexandre em 25/04/2015 às 11h40
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras